BrasilCidadesDestaqueNotíciasSão PauloSaúde

São Paulo tem a primeira morte pela variante delta do novo coronavírus

Paciente era uma idosa de 74 anos que morava em Piracicaba, no interior

168leituras

A Vigilância Epidemiológica de Piracicaba (160 km de SP) confirmou a morte de uma idosa de 74 anos que, segundo a Secretaria Municipal da Saúde, foi infectada pela variante delta do novo coronavírus. A morte é a primeira no estado de São Paulo provocada pela cepa.

Segundo a gestão Luciano Almeida (DEM), a idosa tinha comorbidade e foi vacinada com duas doses do imunizante Coronavac.

--- Publicidade ---

Em nota, a Secretaria Estadual da Saúde afirmou que óbito foi reportado pela prefeitura do interior nesta terça-feira (31), segundo análise feita pela Esalq (Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz), da USP (Universidade de São Paulo). “O Centro de Vigilância Epidemiológica está investigando os detalhes”, afirmou a gestão João Doria (PSDB).

​”Além dela, outros cinco casos da variante foram confirmados pela vigilância na última segunda (23), sendo dois homens e três mulheres, das idades de 10, 16, 41, 51 e 52 anos. Todos seguem sendo monitorados”, afirma a prefeitura da cidade do interior, em nota.

A secretaria diz que fez a verificação dos históricos destes pacientes para ‘monitorar os casos e atuar de forma preventiva e evitar a transmissão da doença”. “Até o momento, não houve mais nenhuma confirmação da variente Delta [AY.4] em Piracicaba”, diz o texto.

De acordo com o governo Doria, com a nova classificação da OMS (Organização Mundial de Saúde) para a análise e confirmação de casos da variante Delta, feita no último dia 25, São Paulo soma 764 casos de infectado pela cepa do vírus, incluindo 747 autóctones e 17 importados.

“A confirmação de variantes ocorre por meio de sequenciamento genético, um instrumento de vigilância, ou seja, de monitoramento do cenário epidemiológico, que não deve ser confundido com diagnóstico, este sim de caráter individual”, afirma secretaria estadual.

Segundo último balanço da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, do último dia 25 de agosto, 43,5% das amostras identificadas na capital paulista eram da variante delta. A cidade tinha naquela data 405 casos confirmados.

O primeiro registro da variante delta no município foi confirmado em 7 de julho. O paciente é um homem de 45 anos que mora no Belenzinho (zona leste) e que, segundo ele, trabalha em casa e não teve contato com pessoas que voltaram de viagem.

A variante delta do coronavírus Sars-CoV-2 (anteriormente chamada de B.1.617.2) foi primeiramente identificada na Índia em outubro de 2020 e é apontada como a principal responsável pelo surto de Covid-19 que atingiu o país asiático no início deste ano.

Segundo relatório epidemiológico da Opas (Organização Pan-Americana de Saúde) do início do mês passado, a cepa já representa quase 90% das amostras do vírus sequenciadas no mundo.

Por causa da variante, a capital paulista instalou barreiras sanitárias nos terminais rodoviários da cidade e no aeroporto de Congonhas (zona sul) para monitorar passageiros que chegam à cidade.